Estilos de Vida Saudáveis

Natal e Saúde Psicológica

Oferecer Prendas de Natal, mantendo a Saúde Psicológica e Financeira

Na época do Natal muitas pessoas confrontam-se com uma fonte adicional de stresse: a decisão sobre as prendas de Natal e a sua eventual compra. Encontrar um presente para cada pessoa, enfrentar o movimento natalício nas lojas e mantermo-nos dentro do nosso orçamento, nem sempre é fácil. Frequentemente esta tarefa pode deixar-nos ansiosos/as, stressados/as e levar-nos a gastar mais dinheiro do que gostaríamos.

Algumas sugestões podem ser úteis para oferecer prendas de Natal, mantendo a nossa Saúde Psicológica e Financeira:

  • Definir expectativas adequadas à nossa realidade. É natural que desejemos oferecer prendas a todas as pessoas que consideramos importantes para nós. No entanto, do ponto de vista financeiro, nem sempre isso é possível. É natural termos de limitar o número de pessoas a quem compramos prendas de Natal. Provavelmente, o mesmo acontecerá às e aos nossos amigos e familiares. Considere alternativas como dar prendas apenas às crianças, fazer um jogo do amigo secreto ou oferecer pequenas “lembranças” a algumas das pessoas.
  • Fazer uma lista de prendas. Listar atempadamente todas as pessoas a quem decidimos dar prendas pode diminuir o risco de nos esquecermos de alguém e permite-nos também pensar na prenda mais adequada para cada pessoa de forma mais ponderada e criativa.
  • Definir um orçamento. Pode definir um orçamento geral (aquilo que quer gastar com todas as prendas) ou definir, para cada pessoa, um valor máximo a despender. Definir, à partida, um orçamento que seja ajustado às nossas finanças pessoais pode evitar preocupações e ansiedade financeira.
  • Negoceie a Lista do Pai Natal. Nesta altura do ano, Pais e Mães podem sentir-se pressionados para cumprir a lista (normalmente extensa!) de pedidos ao Pai Natal. No entanto, as crianças podem compreender e desenvolver hábitos financeiros saudáveis desde muito cedo. Aproveite esta altura para lhes falar sobre o orçamento familiar e sobre a importância de definir prioridades. Em vez de 20 presentes, ajude a criança a seleccionar o(s) presente(s) mais importante(s).
  • Antecipar as compras. A compra de prendas “à última hora” tem como consequência frequente sentirmos mais stresse e acabarmos por gastar mais dinheiro do que queríamos. Diluir a compra de prendas nas semanas que antecedem o Natal pode diminuir o stresse e a ansiedade com esta tarefa.
  • Dizer “Não” à culpa. Não pode oferecer prendas? É natural que, para muitas famílias, seja incomportável comprar prendas. Felizmente, a celebração do Natal não se esgota na compra de presentes. Podemos sempre investir nas relações com familiares e amigos, oferecer uma carta de gratidão ou uma lembrança feita por nós (ou em família), ir cantar as janeiras ou cozinhar um bolo para oferecer.
  • Recentrar a celebração do Natal em “presentes” como o reconhecimento das emoções e necessidades das/os outras/os (empatia), a solidariedade e o apoio mútuo. As memórias de Natal não se fazem só de prendas desembrulhadas, mas também de risos e histórias partilhadas.
  • Incluir o Autocuidado na lista de tarefas. A correria das preparações do Natal pode fazer-se acompanhar de mais ansiedade no dia-a-dia. Esteja atento aos seus sinais de ansiedade e cansaço, invista no autocuidado: procure alimentar-se de forma saudável; faça actividade física; mantenha bons hábitos de sono; invista em actividades prazerosas e de lazer; e fale com os seus familiares e amigos. Cuidar de si é importante para lidar com o stresse desta altura do ano.
  • Procurar ajuda. Se se sentir assoberbado pelo stresse e ansiedade durante o período do Natal ou noutros períodos do ano, saiba que um Psicólogo ou Psicóloga tem um conjunto de ferramentas e intervenções baseadas em evidências científicas que podem ajudar neste Natal e a prevenir situações destas no futuro.