Relações e Comunidade

Animais de Estimação, Saúde Psicológica e Bem-Estar

Grande parte das pessoas que têm um animal de estimação considera-os como membros da família. Frequentemente, a ligação de intimidade e afecto que estabelecemos com um animal é tão forte que é difícil expressá-la por palavras.

Na realidade, a Ciência Psicológica já comprovou que, de muitas formas, os animais de estimação podem ajudar-nos a viver com Saúde Psicológica e Bem-Estar. Os animais de estimação, sejam eles cães, gatos, peixes, periquitos ou tartarugas, podem ser uma fonte importante de companhia, conforto, apoio emocional e motivação para os seus donos.

Como é que ter um animal de estimação pode melhorar a nossa Saúde Psicológica e Bem-Estar?

Os animais de estimação têm um impacto positivo na nossa Saúde Psicológica e Bem-Estar:

Mesmo quando estamos muito em baixo ou muito ansiosos, os nossos animais estão disponíveis para nós. Não precisamos de lhes explicar porque saímos de casa ou porque é que ainda não escovámos o cabelo ou despimos o pijama. Os animais de estimação não nos julgam e gostam de nós, incondicionalmente, todos os dias, trazendo-nos uma sensação de segurança, controlo e uma visão positiva sobre nós mesmos e sobre o mundo.

Muitas vezes, os animais domésticos percebem quando estamos menos bem e, alguns, até tentam arranjar formas de nos “animar”. São óptimos confidentes, com quem podemos desabafar sobre os nossos problemas. E é frequente sentirmos menos stresse e mais bem-estar quando abraçamos um gato ou quando damos comida aos nossos peixes. Além do mais, sempre que cuidamos deles, fica a lembrança de que também devemos cuidar de nós.

 

 

Os animais de estimação podem ter um efeito calmante nos seus donos. Actividades tão simples quanto fazer festas a um animal, brincarmos ou sentarmo-nos junto dele pode dar-nos a oportunidade de relaxar, distrair a nossa mente de preocupações e acalmar-nos: a nossa tensão arterial diminui, assim como o ritmo cardíaco; a respiração torna-se mais regular e os músculos relaxam; a “hormona do stresse” – o cortisol – diminui e as “hormonas da felicidade” – a dopamina e a serotonina – aumentam.

Quando temos um animal de estimação, por exemplo um cão, temos de passeá-lo, dar-lhe de comer e brincar com ele. As necessidades de alguns animais domésticos podem levar-nos a aumentar a nossa actividade física, o que, por sua vez, melhora a nossa Saúde Psicológica (por exemplo, diminui a ansiedade e melhora o humor) e Física (diminui a pressão arterial e a frequência cardíaca, por exemplo). Os animais de estimação podem ainda ajudar-nos a perder peso.

Os animais de estimação oferecem companhia aos seus donos e alguém com quem partilhar a rotina diária. Da interacção com eles recebemos afecto e reconhecimento e, por isso, os nossos sentimentos de solidão diminuem – o que ajuda a prevenir doenças e pode dar-nos mais anos de vida. Os animais podem também facilitar oportunidades sociais para conhecermos pessoas novas, ajudando a começar amizades num jardim ou à porta de casa, quando outras pessoas passam pela rua e falam connosco sobre o nosso animal.

Quando se tem um animal de estimação é necessário cuidar dele, o que inevitavelmente activa o nosso sentido de responsabilidade: mesmo quando não nos apetece nada sair da cama, comer ou ir fazer exercício físico, o nosso companheiro animal continua a ter as suas necessidades. Cuidar dos animais pode contribuir para dar um propósito, significado e estrutura à nossa vida, proporcionando-nos também recompensas como o sentimento de utilidade e valor pessoal.

Ter um animal de estimação é bom para as crianças?

Sim, ter um animal de estimação também tem benefícios para a Saúde Psicológica e o Bem-Estar das crianças. Crescer na companhia de animais de estimação estimula o desenvolvimento de competências que vão ser importantes ao longo de toda a vida:

  • Empatia. Quando a responsabilidade de cuidar de um animal de estimação é partilhada com uma criança, ela aprende a dar atenção às necessidades do outro – dar comida, confortar e brincar – o que promove as suas competências de empatia.
  • Comunicação. Ao desenvolver uma relação com um animal de estimação, as crianças melhoram as suas competências de interação, comunicação e brincadeira. Ao experimentar estas competências com os seus animais, que as aceitam incondicionalmente, as crianças sentem-se encorajadas a comunicar com outras crianças e adultos.
  • Auto-regulação emocional. Os animais não julgam e são ótimos confidentes. As crianças têm oportunidade de expressar as suas emoções, segredos e medos aos seus animais de estimação, gerando uma oportunidade para expressar e regular as suas emoções. As crianças que têm animais de estimação apresentam geralmente níveis mais baixos de ansiedade e menos problemas de comportamento.
  • Autoconfiança. Uma criança que consegue cuidar da sua tartaruga ou do seu coelho torna-se mais capaz de assumir responsabilidades e pode sentir uma maior auto-estima. Um animal de estimação oferece um amor incondicional e não critica a criança, podendo ajudá-la a construir autoconfiança.
  • Responsabilidade e Autonomia.Ter e tomar conta de um animal de estimação (dar-lhe de comer, passeá-lo, dar-lhe banho) ajuda a criança a aprender a planear e a ser responsável – competências que depois podem alargar a outras actividades, como as tarefas escolares.

Ter um animal de estimação é bom para os cidadãos sénior?

Os animais de estimação podem ser uma fonte de companhia particularmente preciosa para cidadãos seniores, nomeadamente aqueles que vivem sozinhos. Ter um animal de estimação pode suavizar algumas das adversidades com as quais as pessoas mais velhas têm de lidar.

Muitos idosos vão perdendo algumas das actividades que davam sentido à sua vida e com as quais ocupavam o seu tempo – o cuidado dos filhos ou a carreira, por exemplo. Assumir a responsabilidade de cuidar de um animal pode dar prazer e ajudar a aumentar o humor, o optimismo e a auto-estima.

Ter um animal pode ainda diminuir a ansiedade de pessoas com demência. Os idosos que possuem um animal de estimação vão menos vezes ao médico, têm menor probabilidade de sofrer de depressão, de tensão arterial elevada e de colesterol elevado.

Devo arranjar um animal de estimação?

Quando começamos a pensar em ter um animal de estimação, há algumas questões que devemos fazer a nós próprios primeiro:

  • Estamos prontos para as responsabilidades diárias de ter um animal de estimação (vamos ter de alimentá-lo, limpá-lo, passeá-lo, interagir com ele)?
  • O que vamos fazer quando formos de férias ou tivermos de passar alguns dias fora de casa?
  • Temos dinheiro suficiente para a alimentação e para as despesas com veterinário?
  • Estamos preparados para cuidar do animal durante todo o seu tempo de vida? (no caso de alguns animais podem ser 15 anos ou mais)

Devemos pensar com cuidado antes de decidir ter um animal de estimação. Falar com alguém em quem confiemos pode ajudar-nos a ter outra perspectiva.

Se não tivermos disponibilidade para ter um animal de estimação podemos sempre voluntariarmo-nos para ajudar num abrigo de animais ou para passear ou passar tempo com animais de estimação de familiares ou amigos.