Procurar Ajuda

O que esperar de uma primeira sessão com um/a Psicólogo/a?

Quando nos sentimos doentes e vamos ao médico, temos alguma noção do que nos espera: que nos faça algumas perguntas para poder avaliar o nosso problema ou queixas, que nos possa pedir alguns exames auxiliares para depois fazer um diagnóstico e indicar um tratamento. E quando vamos ao Psicólogo/a?

Em primeiro lugar, se decidiu procurar e/ou marcar uma primeira sessão com um/a Psicólogo/a já fez a parte mais difícil: procurar ajuda para resolver um problema ou para melhorar a sua Saúde Psicológica.

Contudo, se nunca foi a uma sessão com um/a Psicólogo/a é natural que tenha algumas questões ou dúvidas sobre o que vai acontecer: preciso de falar muito? Vou ter de discutir a minha infância? Vão fazer-me muitas perguntas? Vai ser muito diferente de falar com um amigo? Vou sentir-me à vontade?

Geralmente, as/os Psicológas/os realizam as sessões em Consultórios ou Gabinetes, em clínicas, centros de saúde ou hospitais. A experiência inicial costuma ser muito semelhante àquela que temos quando vamos a uma consulta médica. Damos indicação de que chegámos e sentamo-nos numa sala de espera até nos chamarem.

O tempo de espera pode gerar alguma ansiedade e é possível, até à última hora, sentirmos dúvidas se foi a escolha certa marcar a sessão, sobretudo na primeira vez. Mas, não há qualquer razão para não experimentar e dar uma oportunidade a uma situação que nos pode ajudar.

A primeira sessão com um/a Psicólogo/a é, geralmente, um pouco diferente das sessões seguintes (caso existam). É um momento para se conhecerem e para perceber como é que a relação e o processo com a/o Psicóloga/o podem funcionar.

Na maior parte dos casos, as sessões duram cerca de 50 a 60 minutos. A/O Psicológa/o pode começar por lhe perguntar o que o levou à sessão, sugerir-lhe que partilhe o que se passa na sua vida ou o que está a pensar, com que dificuldades ou problemas o pode ajudar ou se há algum objectivo que gostasse de discutir.

É importante lembrar que, na maior parte dos casos, é necessário mais do que uma sessão. Não espere respostas imediatas para as suas questões, problemas ou dificuldades – ainda que, nalgumas situações possa, rapidamente, começar a sentir alterações na forma como pensa e se sente relativamente às questões que a/o levaram a marcar a sessão.

A/O Psicóloga/o vai ouvi-la/o, sem o criticar ou julgar. Pode falar, com total honestidade, sobre como se sente – sem se preocupar se vai magoar os sentimentos de alguém, estragar uma relação ou ser penalizado de alguma forma. Pode dizer tudo o que quiser ou precisar. O que disser será confidencial e ficará apenas entre si e a/o Psicóloga/o (salvo em circunstâncias muito específicas ou numa situação em que se coloque em perigo de vida a si próprio ou a outras pessoas – os limites da privacidade são esclarecidos e ficam explícitos na primeira sessão).

Durante a primeira sessão serão abordados os temas que entender importantes, sendo que também poderão discutir-se temas relativos à sua vida actual, ao percurso educativo/carreira ou às suas relações. Também podem abordar-se aspectos da sua história pessoal (por exemplo, as suas experiências ao longo do crescimento ou a sua vida social). Seja como for não existem temas obrigatórios e pode falar apenas daquilo que entender. Frequentemente, esta partilha de informação ocorre ao longo de mais do que uma sessão e, nalguns casos, pode ser complementada pela utilização de instrumentos de avaliação psicológica (por exemplo, questionários). Todos os passos (e os seus objectivos) serão sempre discutidos e acordados consigo.

Reforça-se que não precisa de dizer nada que não se sinta confortável em dizer ou de falar sobre assuntos que não queira abordar. Afinal, acabou de conhecer a/o Psicóloga/o. É natural que precise de algum tempo para estabelecer uma relação de confiança.

Durante a sessão pode sentir coisas muito diferentes, incluindo tristeza, alívio, conforto ou desconforto. Mesmo que não fale sobre tudo o que a/o preocupa ou a/o levou ao Psicóloga/o, a primeira sessão pode ser uma experiência que despoleta emoções fortes.

Cada pessoa é única, cada Psicológa/o também e cada relação entre cliente e Psicológa/o é diferente – o que significa que não existe uma descrição universal de uma primeira sessão (ou de sessões subsequentes).

No final da primeira sessão é provável que a/o Psicóloga/o faça um pequeno resumo do que foi conversado e dê algum feedback. Em conjunto podem chegar a um acordo sobre as sessões seguintes, os seus objectivos e formas de funcionamento, valor e pagamento das sessões, procedimentos de desmarcação e confidencialidade das sessões.

As/Os Psicólogas/os utilizam estratégias e métodos científicos diferentes – por exemplo, alguns focam-se mais em estratégias para lidar com problemas, outros procuram ajudar a compreender as ligações entre os seus sentimentos, pensamentos e comportamentos. Não existe, necessariamente, uma abordagem melhor: existem muitas formas de atingir o mesmo resultado. Mas, nesta primeira sessão, pode começar a perceber se a abordagem da/o Psicóloga/o faz ou não sentido para si. Diferentes Psicólogos/as e abordagens são a escolha certa para diferentes pessoas.

Mesmo que se sinta logo melhor no final da primeira sessão, é importante ter expectativas realistas. Na maior parte das situações, é necessário um conjunto de sessões para que haja espaço para existir um processo de compreensão de problemas ou dificuldades. A/O Psicóloga/o não é mágica/o e não resolverá os seus problemas, mas pode ajudá-lo a lidar com eles e a chegar a soluções que sejam adequadas para si. Será um esforço conjunto, baseado na relação que estabelecerem.

Se, porventura, a primeira sessão com um/a Psicólogo/a não for uma boa experiência, não desista. Tente novamente. Experimente mais uma ou duas sessões com o mesmo/a Psicólogo/a ou procure outro/a.

As sessões com um/a Psicólogo/a são um trabalho de equipa. Para tirar o melhor partido da sessão é bom participar activamente nela. Algumas acções podem ajudar-nos a tornar a nossa experiência com um/a Psicólogo/a mais benéfica:

  • Ser sincero e aberto. As/Os Psicólogas/os sabem fazer perguntas, mas não sabem “ler mentes”. Se responder às questões de forma aberta e honesta, o trabalho em conjunto será mais produtivo. Durante a primeira sessão é natural que lhe passem muitas coisas pela cabeça. Partilhe essas reacções e sentimentos com a/o Psicóloga/o. A única expectativa da/o Psicóloga/o é conseguir a sua confiança. Nunca o vai aborrecer, desiludir ou incomodar.
  • Prepare-se. Antes de chegar à sessão pense sobre a melhor forma de descrever os seus sentimentos, questões ou problemas.
  • Pergunte. Quanto melhor compreender a forma como as sessões vão funcionar, mais confortável se irá sentir. Faça perguntas sobre tudo o que quiser saber e peça para a/o Psicóloga/o repetir tudo o que não tiver compreendido. Por exemplo, pode estar interessado em saber se a sessão é confidencial ou qual é a sua experiência profissional.

Todas as informações anteriores sobre o que pode esperar durante a primeira sessão se aplicam também às sessões à distância – através de videochamada, por exemplo.

vantagens (por exemplo, pode ser mais cómodo e pode realizar a sessão de qualquer local) e desvantagens (por exemplo, é diferente conhecer alguém pela primeira vez presencialmente) em realizar sessões com um/a Psicólogo/a à distância, que dependem também das suas circunstâncias e preferências pessoais (por exemplo, tem acesso a um espaço privado onde possa realizar a sessão? Não tem dificuldades na utilização das novas tecnologias e gosta de as utilizar para comunicar?).

Contudo, a/o Psicológa/o e o vosso trabalho em conjunto podem ser igualmente eficazes, independentemente de realizarem a sessão presencialmente ou à distância.

Se a sua primeira sessão for à distância não se esqueça de esclarecer as suas dúvidas e receios sobre o funcionamento e o decorrer das sessões nestes moldes.