Estou Desempregado

Mercado de Trabalho

Se pensarmos bem, o mercado de trabalho é o mundo inteiro.

Mas, geralmente, quando cada um de nós pensa em mercado de trabalho, pensa numa determinada área geográfica, ou em alguns tipos de entidades empregadoras.

Há várias formas de organizar o mercado de trabalho – trabalhar para o público ou para o privado, por exemplo.

A importância de conhecer o mercado de trabalho

Conhecer o Mercado de Trabalho é aquilo que possibilita que cada um de nós possa pensar e planear a forma como vai fazer a sua procura de emprego.

Como é que posso conhecer o mercado de trabalho? Pode começar por pensar na região onde vive e onde pretende trabalhar. Que indústrias, actividades comerciais ou outros tipos de entidades existem nessas localidades? Que tipo de perfil têm as pessoas que trabalham nessas zonas (qual o nível de habilitação que têm, que tipo de experiências profissionais são valorizadas)?

Como é que as empresas procuram trabalhadores?

Curiosamente as empresas procuram trabalhadores quase ao contrário da forma como as pessoas que procuram emprego habitualmente abordam os empregadores.

Formas habituais de um RECRUTADOR preencher uma vaga:

1. Recrutar um colaborador da empresa

Promover um colaborador a tempo inteiro ou um colaborador que actualmente trabalha a tempo parcial ou em regime de prestação de serviços.
Ideia do Empregador
“Quero contratar alguém cujo trabalho já conheço” (estratégia de baixo risco para o empregador)
Implicação para o Candidato:
Esforce-se para ser contratado por uma organização da sua escolha (como trabalhador temporário ou consultor), aspirando a um possível cargo a tempo inteiro apenas posteriormente.
 


 

2. Recorrer a provas

Contratar um desconhecido que tem provas dadas, relacionadas com as competências necessárias.
Implicação para o Candidato:
Demonstre o que já fez e que pode interessar ao seu empregador (mostre o projecto e avaliação de um programa de intervenção que tenha construído e/ou implementado; apresente resultados de medidas implementadas num contexto em que actuou,…).
 


 

3. Recorrer a um bom amigo ou a um colega de negócios

Contratar alguém cujo trabalho um amigo de confiança conhece.
Implicação para o Candidato:
Encontre alguém que conheça a pessoa com poder para contratar na organização que escolheu, que também conheça o seu trabalho e vos possa apresentar.
 


 

4. Recorrer a uma agência em que confie

Uma empresa de recrutamento e selecção que o empregador contratou ou uma agência privada (ambas verificam a sua situação em nome do empregador.
 


 

5. Publicar um anúncio

(online, em jornais, etc.)
 


 

6. Ver currículos

Mesmo que sejam candidaturas espontâneas (se o empregador estiver desesperado).

Formas habituais de um CANDIDATO a emprego procurar uma vaga

Analisando a forma como os empregadores recrutam, podemos retirar algumas conclusões:

  • Os recrutadores preferem, primeiro, ver se alguém que conhecem pode ser a melhor pessoa para ocupar aquela vaga
  • Depois, vão ver se alguém que conhecem pode recomendar um candidato
  • Só quando esgotam as várias alternativas é que vão analisar currículos.

E, por isso, podemos concluir que enviar currículos pode ser uma forma de abordarmos o mercado de trabalho, mas que pode haver outras formas de se conseguir um emprego. Uma delas é o networking. Sinalizarmos, junto das pessoas que conhecemos, que estamos a procurar um emprego em determinada área, é um primeiro passo. É ainda importante que reflicta sobre como tem transmitido aos seus contactos o que é a sua profissão, que competências tem, qual o tipo de trabalho que tem feito e que se propõe fazer – não é raro que acabemos por não dar a devida importância a essa comunicação junto dos que nos são mais próximos, mas efectivamente não nos poderão ajudar se não souberem exactamente o que é o nosso foco e o contributo que podemos e queremos dar.

Onde e como posso pesquisar ofertas de emprego?

Existem duas grandes fontes de ofertas de emprego: online e offline.

A Procura de Emprego Online

Acontece com recurso à internet, mais frequentemente, através de sites de emprego. Se procurar trabalho online precisará de procurar em motores de busca de emprego, e para isso, é muito importante fazer uma boa pesquisa. Pense que palavras poderão ser usadas por quem procura o seu trabalho. O melhor será utilizar uma combinação dos tipos de palavras-chave que lhe sugerimos:

  • Área de trabalho: Pesquisar por “logística”, “marketing”, “estética”, ou o sector que melhor se aplica. Tenha noção que, por serem áreas bastante amplas, deverá pesquisar combinando com outras palavras-chave que facilitem resultados mais finos.
  • Local: Escreva onde pretende trabalhar. Aqui também poderá ser mais amplo (usando o distrito, por exemplo), ou mais restrito (usando uma localidade específica). Em alguns motores de busca pode definir um raio de X quilómetros em redor de uma determinada localidade.
  • Tipo de função: Pesquise pelo nome da função que pretende ou que se propõe a desempenhar, tal como “assistente operacional”, “operador telefónico”, “chefe de secção”. À medida que vai pesquisando também irá percebendo que nomes são habitualmente utilizados para as funções que está a procurar e pode assim ir combinando diferentes palavras.
  • Competências específicas, ferramentas ou jargão: Dentro de um sector há palavras que diferenciam logo quem se enquadra na função, e por vezes basta colocar um desses termos específicos. Usar termos como “carta de empilhador”, “certificado de competências pedagógicas”, “analista SAP” poderá restringir a sua pesquisa ao que lhe interessa.
  • Tipo de trabalho e vínculo: Dependendo da dedicação que prevê poder dar, ou do tipo de horário que a função costuma ter, tal como “tempo integral” (ou full time), “tempo parcial” (ou part-time), “folgas rotativas”, “temporário”, “horário nocturno”, “por turnos”.

A Procura de Emprego Offline

Poderá passar pela análise de anúncios em papel afixados em locais públicos (tais como as juntas de freguesia, supermercados, Centro de Emprego), a anúncios de jornal. 

Este tipo de procura envolve também a informação que vem através de pessoas, sejam elas nossas conhecidas (como a família e amigos) ou não (como amigos de amigos, outras pessoas da comunidade). A isto chama-se, muitas vezes, networking, ou seja, a nossa rede de contactos. Muitas estatísticas referem que cerca de 80% das oportunidades de emprego beneficiam do networking. E não se trata de “cunhas”, mas de alguém que saiba que estamos à procura de emprego nos indicar um, conhecendo o bom trabalho que fazemos e o nosso mérito, que possa indicar o nosso nome a quem precise dos nossos serviços, entre outros tipos de recomendação.

Identificar Necessidades

Para além de existir uma espécie de “mercado de trabalho escondido”, que no fundo são todas as oportunidades de emprego que não chegam a surgir públicas sob a forma de anúncio, existe ainda uma outra forma de se analisar e abordar o mercado de trabalho: identificar necessidades.

A identificação de necessidades é como se fosse uma “investigação” a uma empresa ou entidade onde achamos que podemos trabalhar e dar um bom contributo. Se soubermos observar com atenção, poderemos ajudar os responsáveis dessa empresa ou entidade a perceber que necessitam de nós para dar resposta a algum tipo de problema ou necessidade. 

Por exemplo: 

Numa creche as educadoras de infância deixam escapar desabafos de como as crianças ficam agitadas na hora de almoço e isso torna a sesta do início da tarde um momento difícil para todos. A Maria, que costuma ir levar e buscar a neta, estava atenta a estes desabafos e fez algumas questões, percebendo que uma das razões pela qual as crianças ficam tão agitadas é porque a comida do almoço às vezes fica pronta mais tarde, e por isso o segundo turno de crianças a almoçar já só recebe a refeição quando está com mais fome, e por isso se nota que ficam mais agitadas, rabugentas, e difíceis de consolar.

A Maria percebeu que existe apenas uma pessoa responsável pela confecção dos alimentos, e que estará em sobrecarga. Assim, a Maria propôs à direcção da IPSS onde a creche funciona prestar serviço como auxiliar de cozinha, trabalhando durante algumas horas na preparação do almoço e na limpeza e arrumação da copa. A direcção, após analisar a situação e confirmar com os demais profissionais que essa contratação poderia ser uma mais-valia para o bom funcionamento da instituição, aceitou a proposta da Maria e empregou-a.